Para o Louvor da Sua Glória (Efésios 1)

500

Para o Louvor da Sua Glória – “O Pai Elegeu, o Filho Redimiu e o Espírito Selou.” Efésios 1

  • 08/10 – O Pai Elegeu para o Louvor da Sua Glória
  • 15/10 – O Filho Redimiu para o Louvor da Sua Glória
  • 22/10 – O Espírito Selou para o Louvor da Sua Glória

“Ecclesia reformata et semper reformanda secundum verbum Dei”

A Igreja Reformada, sempre reformando de acordo com a Palavra de Deus” 

Este princípio regeu a Reforma Protestante do Século XVI e continua vivo e ativo nas igrejas herdeiras da Reforma. Precisamos revisar constantemente nossa fé e prática, se estão de acordo com a Palavra de Deus. A Glória de Deus depende deste exercício espiritual da igreja. Quando as principais doutrinas da Graça são distorcidas e centralizadas no homem, na ação do homem, no mérito do homem, na escolha do homem… Deus não é glorificado!

Anúncios

A Explosão Cambriana

Quando Charles Darwin escreveu A Origem das Espécies, os fósseis mais antigos conhecidos eram das camadas do Cambriano (período geológico que se iniciou há cerca de [supostos] 540 milhões de anos, de acordo com a datação radiométrica). Ele percebeu que o padrão fóssil do Cambriano não se adequava à sua teoria. “Para a pergunta por que nós não encontramos ricos depósitos fossilíferos pertencentes a esses períodos assumidos os mais antigos, antes do sistema Cambriano, eu não posso dar uma resposta satisfatória.” Por que o registro fóssil Cambriano foi um problema para Darwin? Porque se a evolução biológica ocorreu de um modo gradual e contínuo, então:

  • (1) poucas formas fósseis (baixa diversidade) deveriam ocorrer nas camadas inferiores do registro sedimentar ou coluna geológica,
  • (2) a diversidade deveria crescer em direção ao topo da coluna geológica (assim como o tempo),
  • (3) as formas mais antigas deveriam ser mais generalistas e simples (baixa especialização), não altamente especializadas,
  • (4) maior especialização deveria ocorrer nos organismos das camadas superiores,
  • (5) novas formas deveriam estar substituindo formas ancestrais com sinais de mudança gradual (organismos intermediários ou transicionais) e (6) um ancestral comum deveria ser encontrado.

Darwin reconheceu a existência de uma “anomalia” no registro fóssil que representava um grande problema para sua teoria de evolução gradual a partir de um ancestral comum: o surgimento abrupto de formas de vida altamente complexas nas camadas basais do Cambriano. Seu aparecimento é tão abrupto que foi apelidado de a Explosão Cambriana.

Neste curto vídeo o renomado autor Lee Strobel entrevista alguns cientistas em busca de explicações para esta “anomalia”:

Fonte: Raúl Esperante, Geoscience Research Institute, Loma Linda, Califórnia; Para ler o artigo completo acesse: A Explosão Cambriana ou o “Big Bang” da vida?

A Comunicação no Período da Pré-Reforma

joaoCalvinoEstudandoA propagação do Calvinismo no século XVI se deu de forma muito rápida e eficiente. Muitas vezes as idéias de Calvino suplantavam as de Lutero e frutificavam em regiões tão diversas como as da França, Escócia, Holanda e Hungria. Para compreender esta questão da comunicação é preciso admitir que a transmissão de idéias, depende muito da sociedade em que elas são expressas. Os meios de comunicações atuais estão bem desenvolvidos, no entanto, na época de Calvino as coisas eram bem diferentes. Para entendermos melhor como as suas idéias foram transmitidas precisamos compreender os antecedentes sociais da Reforma e o desenvolvimento dos meios de comunicação.

Houve muitos acontecimentos sociais antes da Reforma que mudaram a Europa. Tragédias como a Peste Negra, movimentos como a Renascença iniciada no século XIV, descobertas geográficas, principalmente a da América, assim como outros acontecimentos ocorreram de forma que por volta de 1500 a Europa era um Continente muito diferente. Certamente estas mudanças todas tiveram sua influência sobre o padrão de comunicação. A grande maioria de pessoas eram analfabetas e a sociedade medieval era uma sociedade basicamente oral e visual.

Até que a redescoberta da literatura clássica, despertou um novo interesse pela educação e pela cultura. Um novo grupo de leitores começou a surgir, até que, com a invenção da imprensa houve uma revolução no padrão de comunicação. No início a imprensa era feita com blocos de madeira e por volta de 1450, João Gutenbergue desenvolveu na Alemanha uma liga de metal que permitiu fazer tipos móveis de blocos e  isto revolucionou significativamente o processo de impressão. Já no século dezesseis uma das suas características foi a aceleração do processo que se iniciou cerca de cinqüenta ou cem anos antes. Houve uma aceleração no desenvolvimento do comércio com seu conseqüente estímulo ao crédito, operações bancárias e investimentos. Estas mudanças econômicas produziram mudanças nas relações das classes sociais assim como em sua distribuição geográfica.

Neste tempo houve muitas diferenças e conflitos ideológicos, no entanto, a maior das mudanças intelectuais veio com a Reforma, iniciada com Lutero ao fixar as suas 95 teses na porta da Igreja do Castelo de Wittenbergue. Estas teses foram traduzidas para o alemão e foram feitas inúmeras cópias graças a imprensa. A Reforma se alastrou tomando forma até na Suíça liderada por Zwínglio. Em Genebra muitos acontecimentos prepararam a implantação da Reforma. O Bispo foi expulso e o Duque de Sabóia precisou fugir, até que em 1535 Guillaume Farel, um pregador protestante chegou em Genebra onde logo tratou de implantar uma reforma religiosa.

O sucesso na disseminação das idéias de Calvino pode ter sido causado em parte próprio estilo, era um pensador e escritor sistemático. No entanto, houve alguns fatores circunstanciais de seu trabalho e uma situação que pela providência de Deus lhe deram condições para exercer sua influência ampla e efetiva.

Dentre os meios básicos usados por Calvino para disseminação de seus pensamentos, podemos destacar as suas pregações, seus cursos, seus contatos pessoais e principalmente seus escritos.

Além de seu trabalho como pregador, (pregava cerca de cinco vezes por semana, além de suas preleções Bíblicas) também atuava como professor. Desenvolveu um sistema educacional para crianças de onde finalmente surgiu a academia de Genebra, que recebia estudantes de vários países. Calvino também mantinha contato com homens e mulheres através de correspondências por toda a Europa. De seus escritos, destacamos as “Institutas da Religião Cristã” que certamente foi o mais importante. Era também um panfletário, pois através de inúmeros panfletos que escreveu, esclarecia o povo em vários assuntos, principalmente referentes a algumas doutrinas e práticas cristãs. Seus escritos, geralmente produzidos em Latim, logo eram traduzidos nas línguas vernáculas nos países que chegavam.

Finalmente, seu trabalho não era meramente um exercício teórico, pois ele era um homem prático que acreditava que o pensamento precisa produzir ação.

Fonte: “Calvino e sua Influência no Mundo Ocidental” org. por W. Stanford Reid. Capítulo 2 – A Propagação do Calvinismo no séc. XVI

Obras de João Calvino (Institutas)

John_Calvin01Nascido em 10 de Julho de 1509 em Noyon, França, João Calvino cresceu em uma família católica romana tradicional. O bispo local empregou o pai de Calvino na administração da catedral da cidade, o qual, em troca, queria que Calvino se tornasse padre. Devido aos laços estreitos com o bispo e sua nobre família, companheiros e colegas de Calvino em Noyon (e mais tarde em Paris) tiveram uma influência aristocrática e cultural sobre a juventude de Calvino. Aos 14 anos de idade, Calvino mudou-se para Paris, a fim de estudar no College de Marche e preparar-se para a universidade. Seus estudos consistiam nas matérias: gramática, retórica, lógica, aritmética, geometria, astronomia e música. Ao final de 1523, Calvino transferiu-se para a famosa College Montaigu, uma espécie de escola do monastério. Nessa época, a educação de Calvino foi custeada, em parte, pelo lucro de pequenas paróquias. Assim, embora os novos ensinos teológicos de pessoas como Lutero e Jacques Lefevre d’Etaples estivessem se espalhando por toda Paris, Calvino estava mais ligado à Igreja Romana. No entanto, em 1527, Calvino fez amizade com pessoas que tinham uma visão reformada.

Esses contatos formaram o cenário para a eventual mudança de Calvino para a fé reformada. Também, nessa época, o pai de Calvino o aconselhou a estudar direito ao invés de teologia. Em 1528, Calvino mudou-se para Orleans para estudar direito civil. Nos anos seguintes, estudou em vários lugares e sob a orientação de vários eruditos, enquanto recebia uma educação humanista. Em 1532, Calvino terminou seus estudos na área de direito e também publicou seu primeiro livro, um comentário sobre De Clementia [Sobre a Misericórdia], do filósofo romano Sêneca. No ano seguinte, Calvino fugiu de Paris devido aos contatos que teve com pessoas que, através de oratórias e escritos, se opunham à Igreja Católica Romana.

Diz-se que em 1533 Calvino tenha experimentado uma conversão súbita e inesperada, sobre a qual escreveu em seu prefácio dos comentários sobre Salmos. Nos três anos seguintes, Calvino viveu em vários lugares fora da França com diferentes nomes. Estudou por conta própria, pregou e começou a trabalhar em sua primeira edição das Institutas – um best seller instantâneo. Em 1536, Calvino desvinculou-se da Igreja Católica Romana e fez planos para sair para sempre da França e ir para Estrasburgo. Entretanto, a guerra entre Francisco I, rei da França, e Carlos V, imperador do Sacro Império Romano, eclodiu, e Calvino decidiu fazer um desvio de uma noite para Genebra. Mas a fama de Calvino em Genebra o precedeu. Guillaume Farel, um reformador local, o convidou para ficar em Genebra e o ameaçou com a ira de Deus se não o fizesse. Assim, começou uma longa, difícil, mas, finalmente, frutífera relação com a cidade de Genebra. Calvino começou como professor e pregador, mas em 1538 foi convidado a deixar Genebra devido a conflitos teológicos. Ele foi para Estrasburgo, onde ficou até 1541. Sua estada ali como pastor de refugiados franceses foi tão pacífica e feliz que em 1541, quando o Conselho de Genebra o convidou de volta, Calvino ficou profundamente dividido. Ele desejava permanecer em Estrasburgo, mas sentiu grande responsabilidade em retornar para Genebra. Ele fez isso e permaneceu em Genebra até a sua morte, em 27 de maio de 1564. Esses anos foram preenchidos com aulas, pregações e escritos de comentários, tratados e várias edições de As Institutas da Religião Cristã. Fonte: http://www.calvin.edu/about/john-calvin/

Sua Principal Obra: Instituição da Religião Cristã

A-Instituição-Da-Religião-Cristã-1

Um dos tratados teológicos mais influentes da história do Cristianismo, Instituição da religião cristã é a obra máxima de Calvino, resultado de quase trinta anos de reflexões do pensador franco-suíço. Em 2008, a editora UNESP, em parceria com o Banco Itaú, lançou uma nova edição das Institutas, a partir de sua edição final, em Latin, de 1559. Esta edição tem sido bem aceita pelos leitores em função de sua leitura fácil. Os quatro volumes estão disponibilizados em PDF na internet, divididos em 2 Tomos:

Joao Calvino – A Instituicao da Religiao Crista – Tomo I (UNESP)

Joao Calvino – A Instituicao da Religiao Crista – Tomo II (UNESP)

Acesse também de graça e leia os comentários bíblicos e outras obras de João Calvino na “Biblioteca João Calvino” da Editora FIEL. Clique na imagem para ser direcionado ao site:

bibliotecajoaocalvino.jpg

Cooperador de Deus (3a Carta de João)

COOPERADORDEDEUS

Tanto o Evangelho de João, Apocalipse e estas três cartas são escritas pela mesma pessoa, ou seja, o Apóstolo João.  O propósito destas três cartas era orientar a igreja de Cristo sobre o avanço missionário, alertar quanto aos falsos profetas e encorajar a igreja a se engajar no avanço da Missão.

Hospitalidade: Era método usado pela igreja nos primeiros séculos para acolher e enviar missionários pelo mundo. Este ministério era vital para o avanço da igreja, mas falsos profetas se aproveitaram deste “método” para se infiltrarem nas igrejas trazendo assim grandes transtornos. O Apóstolo escreve estas 3 cartas principalmente para orientar a igreja sobre estes desafios como lemos em 1a João 4.1:

Amados, não deis crédito a qualquer espírito; antes, provai os espíritos se procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo fora. 2 Nisto reconheceis o Espírito de Deus: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus;

Esta 3ª Carta vai tratar mais especificamente desta dificuldade com a prática da “hospitalidade” e uma divergência que houve dentro da igreja sobre o tema destacando principalmente dois nomes: Gaio e Diótrefes

  • Gaio: Cooperava com a Missão
  • Diótrefes: Atrapalhava a Missão
  1. Gaio: O Cooperador de Deus

O presbítero ao amado Gaio, a quem eu amo na verdade. 2 Amado, acima de tudo, faço votos por tua prosperidade e saúde, assim como é próspera a tua alma. 3 Pois fiquei sobremodo alegre pela vinda de irmãos e pelo seu testemunho da tua verdade, como tu andas na verdade.

Observamos que Gaio:

  • Cooperava financeiramente
  • Estimulava toda a igreja a fazer o mesmo
  • Dava bom testemunho
  • Era motivo de alegria para todos
  • Fazia a Obra de Deus prosperar
  1. Diótrefes: O não Cooperador de Deus

9 Escrevi alguma coisa à igreja; mas Diótrefes, que gosta de exercer a primazia entre eles, não nos dá acolhida. 10 Por isso, se eu for aí, far-lhe-ei lembradas as obras que ele pratica, proferindo contra nós palavras maliciosas. E, não satisfeito com estas coisas, nem ele mesmo acolhe os irmãos, como impede os que querem recebê-los e os expulsa da igreja.

Observamos que Diótrefes:

  • Não cooperava financeiramente
  • Desestimulava toda a igreja a fazer o mesmo
  • Dava péssimo testemunho
  • Era motivo de tristeza para todos
  • Fazia a Obra de Deus paralisar

CONCLUSÃO E APLICAÇÃO

  • Hoje, para sermos Cooperadores de Deus, levarmos a Missão para frente e avançarmos com a Obra de Deus na terra pode ter mudado seu método, mas a situação é a mesma. Ou seja, na Obra de Deus só existem dois lados: O lado de Gaio ou o lado de Diótrefes. De que lado você está?

Cooperadores de Deus (Exposição de 3a João)

Rev Edgard Casolli

A Armadura de Deus (Efésios 6)

É inegável que existe uma luta espiritual para enfrentarmos, no entanto, sabemos que há muita confusão em torno deste assunto. Lemos em ž1ª Pedro 5:8 “Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar; 9 resisti-lhe firmes na fé, certos de que sofrimentos iguais aos vossos estão-se cumprindo na vossa irmandade espalhada pelo mundo.” žEm 2ª Coríntios 10 o Apóstolo Paulo nos lembra que “as armas da nossa milícia não são carnais”:  “ž3 Porque, embora andando na carne, não militamos segundo a carne.  4 Porque as armas da nossa milícia não são carnais, e sim poderosas em Deus, para destruir fortalezas, anulando nós sofismas (no gr. logismos = argumento lógico)  5 e toda altivez que se levante contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento à obediência de Cristo,”

Para vencermos os astutos métodos de Satanás, a Palavra de Deus nos orienta sobre o tema de forma segura:

Efésios 6.11 Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo; 12 porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes. 13 Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis.

Veja quais são as seis peças desta armadura:

  1. CINGINDO-VOS COM A VERDADE: CINTO

žv. 14a   Estai, pois, firmes, cingindo-vos com a verdade

  1. VESTINDO A COURAÇA DA JUSTIÇA:

žv. 14b e vestindo-vos da couraça da justiça.

  1. CALÇANDO AS SANDÁLIAS:

žv. 15 Calçai os pés com a preparação do evangelho da paz;

  1. EMBRAÇANDO O ESCUDO DA FÉ:

žv.16 embraçando sempre o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do Maligno.

  1. TOMANDO O CAPACETE DA SALVAÇÃO:

žv.17 Tomai também o capacete da salvação e...

  1. TOMANDO A ESPADA DO ESPÍRITO:

žv. 17b a espada do Espírito, que é a palavra de Deus;

armadura-de-deus-e1464017647935.jpg

Assista esta mensagem da Palavra de Deus para a sua edificação espiritual sobre o tema. Exposição de Efésios 6 “A Armadura de Deus”: