Série: Acertando os Ponteiros

Acertando os

Série de Mensagens e Exposições Bíblicas no livro de Eclesiastes, aos domingos 19h na Igreja Presbiteriana Vila Alpes de São Carlos/SP. Transmissão ao vivo a partir das 19h no Facebook da igreja.

Nós somos criados para o companheirismo e não para o individualismo. Não há dúvida que o individualismo é a raiz de muitos males na sociedade. Geert Hofstede é um psicólogo holandês e pesquisador que criou uma medida de diferenciação cultural entre as populações. Uma das medidas mais famosas da sua escala é a que compara tendências ao individualismo e coletivismo. O Brasil está na escala 31 e os EUA por exemplo 91. O livro de Eclesiastes enaltece o companheirismo ao dizer: “Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho. Porque se caírem, um levanta o companheiro; ai, porém, do que estiver só; pois, caindo, não haverá quem o levante. Também, se dois dormirem juntos, eles se aquentarão; mas um só como se aquentará? Se alguém quiser prevalecer contra um, os dois lhe resistirão; o cordão de três dobras não se rebenta com facilidade.” (Eclesiastes 4.9-12)

individualism_hofstede

Clipe da série:

1a Mensagem:

“É bem melhor serem dois do que um” (Eclesiastes 4.9) Individualismo x Companheirismo.

2a Mensagem:

“Mangiare, Bere e Amare”  Eclesiastes 9.7-9 .

3a Mensagem:

“Discernindo o Tempo de Deus em nossa vida”  Eclesiastes 3.

Anúncios

Vida a Dois: Competição ou Cooperação?

vidaadois

Esta série de mensagens para casais explora os desafios que os sexos enfrentam na vida conjugal. Rubem Alves tem um texto muito rico onde ele compara a vida conjugal com um jogo. No caso, duas modalidades: Tênis e Frescobol! A vida a dois é um jogo de tênis ou de frescobol? Ambos são parecidos, tem raquete, bolinha e dois jogadores, um de cada lado. Mas sabemos que o espírito de cada jogo é profundamente diferente. No tênis temos dois adversários competindo, no frescobol temos dois companheiros se divertindo. Como você tem jogado a vida a dois? #VidaaDoisCompetiçãoouCooperação

Para ser feliz com o homem a mulher deve amá-lo ao menos um pouco mas compreendê-lo muito. Para ser feliz com a mulher o homem deve amá-la muito e nunca tentar compreendê-la!!!! Homem e mulher, iguais em direitos, valores e dignidade, mas profundamente distintos em funcionalidade: Biológica, emocional, anatômica, hormonal… Fazê-los iguais é uma insanidade!

Primeira Mensagem da série: A Excelência do Amor (1a Co 13)

Segunda Mensagem da série: “Tênis ou Frescobol?” (Gênesis 2)

Casais inteligentes enriquecem juntos

113880075SZ.jpg

Casais Inteligentes Enriquecem Juntos é um livro do escritor brasileiro Gustavo Cerbasi, lançado em 2004. Foi o nono livro mais vendido no Brasil em 2009 na categoria. Na primeira parte do livro “Parte I – Uma união financeiramente feliz” Cerbasi divide as pessoas em cinco estilos, segundo a forma que lidam com o dinheiro. Em seguida relaciona as várias possibilidades de uniões com os diferentes tipos de pessoas. Qual é o perfil de vocês? Há basicamente cinco estilos de como lidar com o dinheiro. Vejam em qual vocês se enquadram:

  1. POUPADORES: sabem que é importante guardar e, por isso, não se importam nem um pouco em restringir ao máximo os gastos atuais, para poupar o que for possível e conquistar a independência com muito dinheiro. Nem sempre suas intenções são compreendidas; frequentemente recebem críticas por serem mesquinhos ou avarentos, verdadeiros “Tios Patinhas”. Pontos fortes: disciplina e capacidade de economizar. Pontos fracos: conformismo com um padrão de vida simples, restrições a novas experiências.
  2. GASTADORES: para estes, a vida é medida pela largura, não pelo comprimento. É importante viver bem hoje, pois o amanhã pode não existir. Gastam toda a renda, às vezes um pouco mais. Gostam de ostentar, destacam-se pelas roupas caras, não se sentem incomodados em encarar um financiamento se o objetivo é ser feliz. A poupança acumulada, quando existe, é só para a próxima viagem. Seu estilo de vida faz sucesso entre os amigos. Pontos fortes: hábitos pouco rotineiros, abertura a novas tendências, muitos hobbies. Pontos fracos: insegurança em relação ao futuro, dependência extrema da estabilidade no emprego, aversão a controles, orçamentos e contas.
  3. DESCONTROLADOS: não sabem quanto dinheiro entra nem percebem quando sai da conta. A cada mês, parece que o dinheiro dura menos. Estão sempre cortando gastos, mas nunca é o suficiente. Usam com freqüência o cheque especial ou pagam a conta do cartão de crédito apenas parcialmente, por falta de fundos. Em casa, não há a menor chance de se sentarem e se organizarem, pois têm coisas mais importantes para fazer. Pontos fortes: é possível identificar algum? Pontos fracos: indisciplina, propensão a conflitos, pagamento desnecessário de juros, desorientação.
  4. DESLIGADOS: gastam menos do que ganham, mas não sabem exata-mente quanto. Poupam o que sobra, quando sobra. Viajam ou trocam de carro quando atingem um valor mais alto nos investimentos. Se não têm dinheiro na conta, parcelam a compra. Quando os extratos do banco chegam, vão para a gaveta sem ao menos ser abertos. A fatura do cartão de crédito é uma surpresa todo mês. Sempre acham que ainda é cedo para pensar em aposentadoria. Pontos fortes: folgas financeiras, espaço para reduzir gastos, se necessário. Pontos fracos: incapacidade de estipular e atingir objetivos, resistência a planos que exijam disciplina.
  5. FINANCISTAS: são rigorosos com o controle de gastos, com o propósito de 13 economizar. Nem sempre o objetivo é poupar; às vezes pretendem acumular para poder comprar mais pagando menos. Elaboram planilhas, andam com calculadora e lista de compras nos supermercados e shoppings, fazem estatísticas e projeções com quantidades e freqüência impressionantes. Entendem de investimentos, juros e inflação e são procurados por amigos e parentes para orientações. Pontos fortes: facilidade de desenvolver planos e colocá-los em prática, seleção crítica de investimentos, capacidade de empregar melhor o dinheiro. Pontos fracos: em geral são boicotados pela família, que não se conforma com tantas minúcias; se não souberem se fazer entender, tornam-se uns chatos.

Vejam o que esperar de seu futuro financeiro, de acordo com a combinação desses perfis:

POUPADOR * GASTADOR: os números estarão sempre contra seu relacionamento. Se nada for feito, a união de vocês será repleta de crises e brigas. A sugestão é que ambos se inscrevam juntos em um curso de planejamento financeiro pessoal, para que o poupador da dupla encontre os verdadeiros porquês de guardar dinheiro e para que o gastador aprenda a refrear seus impulsos. Perfil de casais desse tipo: um tropeçando no outro.

POUPADOR * DESCONTROLADO: o esforço do poupador permitirá um futuro seguro que o descontrolado jamais conquistaria, porém ele vai re-mar sozinho para realizar os sonhos comuns. Tudo indica que o poupador não terá sucesso em acumular mais do que o necessário, pois sempre terá o descontrolado a seu lado para frustrar grande parte de seus objetivos. Esse relacionamento tende a um equilíbrio, mesmo que ambos não saibam exatamente para onde estão indo ou por que acumulam recursos. Perfil de casais desse tipo: um puxando o outro. POUPADOR * DESLIGADO: discussões relacionadas a dinheiro, jamais! Os desligados tendem a concordar com a necessidade de poupança para o futuro e são excelentes colaboradores desse objetivo. É importante que o poupador busque aprender mais sobre planejamento pessoal, pois esse modelo de casal chega à velhice com duas coisas acumuladas: dinheiro e frustração. Mando e mulher nunca saberão ao certo quando é a hora de gastar um pouco. Perfil de casais desse tipo: um puxando o outro, porém com o risco de envelhecerem com a sensação de que um tropeçou no outro.

POUPADOR * FINANCISTA: se o financista souber controlar os impulsos conservadores do poupador, será a união do sucesso financeiro. O financista tem os argumentos de que o poupador precisa para se “desligar” um pouco. Já o poupador terá a missão de tirar seu parceiro dos detalhes e pôr o foco no principal, o longo 14 prazo. Perfil de casais desse tipo: tendência de começar com “um puxando o outro” e evoluir para “a todo o vapor”.

GASTADOR * DESCONTROLADO: esse é o tipo de relacionamento que não vai durar muito para contar a história. O gastador tende a usufruir sem formar reservas, mas o descontrolado faz mais que isso, gastando além da conta. Com o tempo, o gastador perceberá que não consegue mais atingir seus desejos materiais de consumo porque o parceiro não colabora. E essa dificuldade de colaboração muitas vezes é entendida como abuso ou individualismo. Não há amor que sustente tal situação. Perfil de casais desse tipo: a todo o vapor para a separação. GASTADOR * DESLIGADO: a tranqüilidade reinará ao longo do relacionamento. Como o gastador se apega ao consumo e o desligado não, ambos se orgulharão do espaço concedido ao outro. Se essa harmonia for bem administrada e o gastador aprender a disciplinar seu consumo, ainda sobrarão recursos para construir, ao longo dos anos, uma aposentadoria com razoável padrão de vida. Provavelmente, eles precisarão de um consultor financeiro ou de um plano de previdência privada para conquistar seus sonhos. Perfil de casais desse tipo: um puxando o outro. GASTADOR *

FINANCISTA: como na união do poupador com o financista, é o casamento da razão com a emoção. Tudo depende da capacidade do financista de provar que eles podem juntos garantir muito mais conquistas se agirem de forma planejada. 0 equilíbrio deve ser buscado permanente e conscientemente; quando obtido, será a base de um casal que saberá curtir a vida com segurança. Perfil de casais desse tipo: um puxando o outro.

DESCONTROLADO * DESLIGADO: o relacionamento será uma navegação rumo ao infinito, sem nunca saber onde aportar. Tempestades e problemas chegarão de surpresa, como o iceberg que afundou o Titanic. 0 descontrolado estará sempre levando o extrato bancário para o vermelho, mas terá o desligado a seu lado para culpar a todo mundo menos eles próprios: bancos, inflação, juros, governo, financeiras etc. Nunca conseguirão acumular riqueza, pois acreditam que isso não depende deles. Perfil de casais desse tipo: a todo o vapor, mas no caminho contrário ao dos sonhos.

DESCONTROLADO * FINANCISTA: tempestades à vista! Um financista até conseguirá convencer seu parceiro descontrolado da importância da organização, mas, por mais que tente, jamais conseguirá persuadi-lo de praticá-la. 0 sucesso do relacionamento dependerá de o financista assumir as rédeas das finanças e ser criativo na hora de limitar gastos. Perfil de casais desse tipo: um tropeçando no outro.

DESLIGADO * FINANCISTA: se não houver muita conversa em relações desse tipo, o financista tende a assumir o controle das finanças sem a colaboração do desligado, que achará o excesso de controles um verdadeiro exagero. Porém, se 15 ambos souberem lidar com o comportamento do parceiro, esse relacionamento tenderá a resultar em um verdadeiro sucesso financeiro, pois o desligado não criará empecilhos à construção de planos e saberá desfrutar cada conquista a seu tempo. Perfil de casais desse tipo: um puxando o outro. Todo relacionamento entre pessoas de mesmo perfil é do tipo “a todo o vapor”. Dificilmente surgirão conflitos ligados ao dinheiro, pois os dois pensam da mesma forma. É preciso, porém, evitar os riscos típicos de cada perfil.

POUPADOR * POUPADOR: terão sucesso se se esforçarem no sentido de encontrar um sentido para o dinheiro e desenvolverem metas de poupança. Se não mudarem, o perfil do casal se encaminhará a todo o vapor para um futuro cheio de dinheiro mas pobre de sentimentos.

GASTADOR * GASTADOR: o cuidado a tomar é evitar consumir 100% da renda. Gastadores sabem viver muito bem, mas exageram na dose. Se conseguirem conciliar os hábitos de bon-vivants com investimentos no futuro, deixarão de ter um perfil de casal que se dirige a todo o vapor para problemas financeiros na velhice.

DESCONTROLADO * DESCONTROLADO: diferentemente do casal de gastadores, os descontrolados não esperarão a velhice para se atolar em problemas. É o tipo de relacionamento que, se sobreviver, será a custo de muito sofrimento e privação. Não se trata de caso perdido, desde que com acompanhamento de uma boa terapia de casal. Na maioria dos casos, os parceiros estarão a todo o vapor ao encontro de eternos problemas, não só financeiros.

DESLIGADO * DESLIGADO: esse casal pode ou não atingir suas metas. A questão é que não sabe como fazê-lo – e talvez nem identifique os objetivos. Como suas preocupações não estão centradas no dinheiro nem no consumo, será muito fácil construir riqueza com a orientação de um especialista ou a aquisição de planos de previdência. Com tal conduta, eles estariam a todo o vapor direcionados para uma vida sem problemas financeiros.

FINANCISTA * FINANCISTA: o que falta para a maioria, esse casal tem demais. Organização financeira é bom, mas não pode ser o assunto de todas as conversas, da pizza com os amigos ao momento a dois na cama. O planejamento financeiro bem-feito requer a criação de limites aproximados de gastos. Se os parceiros saírem do limite, pequenos ajustes em seguida resolvem a questão. Aproveitar resultados e não bitolar é fundamental; caso contrário, estarão a todo o vapor rumo a uma vida de números, e não de sentimentos.

MANGIARE, BERE E AMARE!

casal-apaixonado

Quanto a maneira que experimentamos e usufruímos dos prazeres e deleites desta vida, há apenas duas opções. São duas filosofias de vida que se destacam e consciente ou inconscientemente, estamos inseridos em um dos dois estilos de vida:

1ª Filosofia: “Viva o hoje, pois não há esperança no amanhã!” Sintetizado no texto: “Comamos e bebamos por que amanhã morreremos” (1a Co 15.32). Esta era a filosofia do poeta Horácio (65 a 8 a.C.) :“…carpe diem, quam minimum credula postero”. “…colha o dia de hoje e confie o mínimo possível no amanhã”. Uma perspectiva mais existencialista da vida, uma vida que busca a liberdade sem limites. Conforme disse Jean-Paul Sartre, ao utilizar as ideias de Dostoiévsky (Os irmãos Karamazov): “Se Deus não existe e a alma é mortal, tudo é permitido”.

2ª Filosofia: “Viva o hoje, pois há esperança no amanhã!” Esta é a filosofia sintetizada no livro de Eclesiastes pelo escritor Salomão: “Vai, pois, come com alegria o teu pão e bebe com coração contente o teu vinho, pois já Deus se agrada das tuas obras. Em todo o tempo sejam alvas as tuas roupas, e nunca falte o óleo sobre a tua cabeça. Goza a vida com a mulher que amas, todos os dias da tua vida vã, os quais Deus te deu debaixo do sol, todos os dias da tua vaidade; porque esta é a tua porção nesta vida, e no teu trabalho, que tu fizeste debaixo do sol.” (Ec 9:7-9)

Queria falar um pouco sobre esta segunda filosofia de vida. O livro de Eclesiastes nos lembra que a vida de baixo do sol é uma só e muito breve (vaidade “um sopro” ocorre 36 vezes no livro). Mas também nos aponta a única esperança, pois nos lembra que há vida acima do sol, “lembra-te do teu Criador nos dias da tua mocidade”. Isto dá sentido á nossa vida (temos esperança no amanhã) e nos leva a viver uma vida justa (vestes brancas) consagrada (óleo sobre cabeça) e fiel (fazendo tudo conforme as nossas forças), pois sabemos que por todas estas coisas “te trará Deus a juízo.”

Por esta razão, devemos celebrar a vida com gratidão no coração pelas dádivas de Deus (comer, beber e amar). E de fato, a maneira como lidamos com estas dádivas revelam muito sobre nós, pois o abuso destas dádivas (glutonaria, bebedice e luxúria) evidenciam uma falta de espiritualidade, assim como a proibição destas dádivas, evidenciam uma falsa espiritualidade. (“…líderes que proíbem o casamento e ordenam a abstinência de alimentos que Deus criou para serem recebidos com ações de graças pelos que são fiéis e estão bem firmados na verdade.” 1a Tim 4.3, “Portanto, ninguém tem o direito de vos julgar pelo que comeis, ou pelo que bebeis…” Col 2.16).

Assim, a filosofia de vida que agrada a Deus é uma só: Viva uma vida justa, consagrada e fiel, com gratidão no coração: comendo (com alegria o pão) bebendo (com coração contente o vinho) amando (goza a vida com a mulher que amas), pois esta é a porção (recompensa) do homem debaixo do sol, muito bem sintetizada na expressão: “Mangiare, bere e amare!”

ACERTANDO O PASSO – A DANÇA DA VIDA A DOIS

A vida conjugal é como a dança de um casal. Não dá para dançar sozinho e precisamos estar em sintonia com o nosso par. É um esforço conjunto em que os dois precisam estar em sintonia e no ritmo da música. Algumas vezes erramos o passo, mas não há problema algum nisso pois enquanto a música estiver tocando, podemos acertar o passo. O maior desafio será não desistir da dança enquanto a música estiver tocando!!

 Vamos refletir juntos em princípios Bíblicos que irão fortalecer os casais na “dança da vida a dois” e teremos um encontro de casais dia 20/06 na Vinícola Villaggio Bonucci que está sendo preparado pelo ministério de casais.

Acompanhe o clipe e as mensagens desta série:

Série de Mensagens:

  • 1o. SEM PAR, NÃO DA PARA DANÇAR! Deus tem a pessoa certa para mim?
  • 2o. O TANGO VEM ANTES DA VALSA? O Erotismo vem antes do Romantismo?
  • 3o. ENTROU MAIS GENTE NA DANÇA? Quando a família cresce, aprendemos novos passos!
  • 4o. A DANÇA DAS FINANÇAS! Acerte o passo e mantenha o equilíbrio!
  • 5o. PROMETEMOS DANÇAR A MÚSICA TODA! Não pare de dançar, enquanto a música tocar!

AO VIVO E ONLINE AOS DOMINGOS 19h em AO VIVO

1a Mensagem: SEM PAR, NÃO DA PARA DANÇAR! Deus tem a pessoa certa para mim?

2o. O TANGO VEM ANTES DA VALSA? O Erotismo vem antes do Romantismo?

3o. ENTROU MAIS GENTE NA DANÇA? Quando a família cresce, aprendemos novos passos!

4o. A DANÇA DAS FINANÇAS! Acerte o passo e mantenha o equilíbrio!

As Cinco Linguagens do Amor (Mensagem+teste+livro)

Young couple sitting back to back and talking to each other

Não é incomum diagnosticarmos nos relacionamentos uma profunda frustração gerada pela simples dificuldade de expressar o quanto uma parte ama e quer bem a outra parte. A sensação de impotência faz com que muitos desistam de tentar expressar seu amor pela outra parte. O Dr Gary Chapman, depois de mais de 30 anos de experiência no aconselhamento de casais, percebeu que cada um de nós adota uma linguagem pela qual damos e recebemos amor. Quando o casal não entende corretamente a linguagem predominante de cada um, a comunicação é afetada, impedindo que se sintam amados, aceitos e valorizados. Em seu livro “As cinco linguagens do amor” ele aborda cada uma destas linguagens nos ajudando a expressarmos corretamente nosso amor um pelo outro de maneira muito eficaz. Segue um breve resumo das cinco linguagens:

  1. PALAVRAS DE AFIRMAÇÃO

Elogios verbais e palavras de apreciação são poderosos comunicadores do amor. São melhores comunicados em forma de expressão direta e simples, como: “Você ficou tão elegante com esse terno”; “Você está muito bem com esse vestido”; “Ninguém faz essas batatas melhor que você”.
Não sugiro que use de bajulação para conseguir o que deseja de seu cônjuge. O objetivo do amor não é obter o que se quer, mas fazer algo pelo bem-estar daquele a quem se ama. É verdade, porém, que ao recebermos palavras elogiosas, de afirmação, tornamo-nos mais motivados a sermos recíprocos e a fazermos algo que nosso cônjuge deseje.

Além de elogios verbais, outra maneira de expressar palavras de afirmação é com palavras encorajadoras. Em determinadas fases da vida todos nós nos sentimos inseguros. Não possuímos a coragem necessária, e esse medo impede-nos de realizarmos certos atos positivos que gostaríamos de concretizar. O potencial latente do seu cônjuge, nestas áreas de instabilidade, talvez espere suas palavras de encorajamento.

Encorajamento requer empatia que nos leva a enxergar o mundo segundo a perspectiva de nosso cônjuge. Devemos, em primeiro lugar, procurar saber o que é importante para ele.

Se desejamos desenvolver um relacionamento, precisamos saber quais são os desejos da pessoa amada. Se queremos amar um ao outro, precisamos saber como fazê-lo.

A melhor coisa que podemos fazer com os fracassos do passado é torná-los em simples história. Sim, eles ocorreram, e machucaram. E talvez ainda magoem, mas ele reconheceu seu erro e pediu o seu perdão.

O perdão não é um sentimento, mas um compromisso. É a opção de se mostrar misericórdia e não de se jogar a ofensa no rosto do ofensor. Perdão é uma expressão de amor.

Palavras humildes: quando alguém faz um pedido a seu cônjuge, afirma as habilidades dele. Faz entender que ele possui, ou pode fazer algo, que é significativo ou valioso para o outro. No entanto, quando dá ordens, torna-se um tirano. Seu cônjuge não se sentirá afirmado, mas diminuído.

  1. QUALIDADE DE TEMPO

Ter um tempo de qualidade com seu cônjuge. Querer ser alvo da sua atenção, que lhe dedique mais tempo e possam realizar algumas atividades juntos.
Qualidade de tempo significa dedicar a alguém sua inteira atenção, sem dividi-la. Não é sentar no sofá e assistir TV. É assentar-se ao sofá, com a TV desligada, olhar um para o outro e conversar, no processo de dedicação mútua. É dar um passeio juntos, só os dois. É ambos saírem para comer fora.

aspecto central da qualidade de tempo é estar sempre juntos. Não quero dizer simples proximidade. Duas pessoas sentadas em uma mesma sala estão próximas, mas não necessariamente juntas. O estar junto tem a ver com o focalizar a atenção.

Uma conversa de qualidade deve envolver disposição para ouvir e aconselhar, quando solicitado, e jamais de forma arrogante.

Dicas para uma conversa de qualidade:
– Procure olhar nos olhos do seu cônjuge quando ele lhe falar (ajuda a não divagar e comunica atenção);
– Não faça outra coisa enquanto ouve seu cônjuge;
– Escute o “sentimento”. Pergunte-se o tipo de emoção que seu cônjuge sente no momento. Certifique-se de que seu pensamento está correto
– Observe a linguagem corporal. Punhos cerrados, mãos trêmulas, lágrimas, indicam o sentimento;
– Recuse interrupções. Se eu lhe dedicar minha total atenção enquanto você fala, evitarei defender-me a fim de fazer-lhe acusações. Meu objetivo é perceber seus sentimentos e pensamentos. O alvo não é auto defender-me ou permitir que você ganhe uma discussão. A intenção é compreender o outro.

Atividades de qualidade: um dos pontos positivos das atividades de qualidade é que elas possibilitam o armazenamento de um banco de memórias ao qual podemos nos reportar pelos anos futuros. Feliz é o casal que se lembra de uma caminhada feita de manhã ao longo da praia; de uma árvore plantada no jardim; do projeto de pintura dos quartos; da noite em que foram juntos ter aulas de patins e um deles caiu e quebrou a perna; dos passeios pelo parque; de um passeio de bicicleta. Essas são memórias de amor, especialmente para aquelas pessoas cuja primeira linguagem for qualidade de tempo.

  1. RECEBER PRESENTES

Antes de comprarmos um presente para alguém, pensamos naquela pessoa. O objeto em si é um símbolo daquele pensamento. Não importa se foi caro ou barato.
Símbolos visuais do amor são mais importantes para uns do que para outros. Por esse motivo, existem os que, após se casarem, nunca mais tiram a aliança porém, também há alguns que nem chegam a usá-la. Essa é uma evidência de que as pessoas possuem linguagens do amor diferentes.

Quem tem essa linguagem vive grandes emoções ao receber presentes. Vê neles expressões de amor.

Sem lembranças como símbolos visuais, o amor do cônjuge poderá até ser questionado.

Se a primeira linguagem de seu cônjuge for “receber presentes”, você deve se tornar um expert nessa área.

Não espere uma ocasião especial. Se esta for a primeira linguagem de seu cônjuge, praticamente tudo o que você lhe conceder será recebido como expressão de amor.

Se ele foi muito crítico em relação aos presentes que recebeu no passado, então essa é uma grande dica de que receber presentes não é a primeira linguagem do amor do seu cônjuge.
A presença do cônjuge, em tempos de crise, é o maior presente que se pode dar a um cônjuge cuja primeira linguagem do amor seja receber presentes.

  1. FORMAS DE SERVIR

É fazer aquilo que você sabe que seu cônjuge gostaria que você fizesse. É procurar agradar realizando coisas que ele aprecia, expressando amor através de diversas formas de servir.
Jesus deu uma ilustração simples, porém profunda, ao expressar amor através de uma forma de serviço quando lavou os pés dos discípulos.

  1. TOQUE FÍSICO

No casamento, o toque de amor existe em várias formas. Considerando-se que os receptores ao toque localizam-se por todo o corpo, um afago amoroso em qualquer parte pode comunicar amor a seu cônjuge.
Seu cônjuge apreciará alguns toques mais do que a outrosAprenda com ele.

Não insista em tocar de seu jeito e em seu tempo. Aprenda a falar o dialeto do outro, pois alguns toques podem ser considerados desconfortáveis ou irritantes. Não caia no erro de achar que o que lhe traz prazer também trará a seu cônjuge.

As crises propiciam uma oportunidade singular para se expressar amor. Toques afetuosos serão lembrados muito tempo ainda após as dificuldades terem passado. Porém, a ausência de seu toque talvez jamais seja esquecida.

Um gostoso cafuné, andar de mãos dadas, abraços apertados ou não, relações sexuais, tudo isso faz parte das necessidades de quem possui o “toque físico” como sua primeira linguagem do amor.

Faça o teste “As Cinco Linguagens do Amor” e descubra a sua linguagem:

TESTE: LINGUAGENS DO AMOR

Baixe o livro em PDF para melhor compreensão:

Livro: As Cinco Linguagens do Amor

Resumo da mensagem do pastor Edgard sobre o tema: