Entrevista na Globo/EPTV sobre a Reforma Protestante

Entrevista concedida na EPTV, transmissora da Rede Globo na região de São Carlos em comemoração dos 500 anos da Reforma Protestante. O jornal é bem dinâmico e rápido, concedendo cerca de 3 a 5 minutos em cada entrevista e reportagem. Clique no link para assistir: VÍDEO

eptv-500

Anúncios

Uma breve história da Reforma (resumo)

O ator Werner Schunemann apresenta este excelente trabalho da Igreja Luterana no  Brasil em comemoração aos 500 anos da Reforma Protestante. São 11 episódios que contam a história da Reforma, de Martinho Lutero e dos eventos que o cercavam. Vídeos bem curtos, de poucos minutos. Segue o vídeo com a compilação de todos os episódios:

Reforma e Protestantismo no Brasil

rio

Acredita-se ser verdade que as primeiras orações proferidas por evangélicos no solo brasileiro, se deram em 1548, quando um náufrago Luterano, Hans Staden, foi lançado nas praias do Brasil. Ao sobreviver a esta aventura, agradece a Deus dizendo:

“Foi assim que o Deus todo poderoso, o Deus de Abraão, Isaac e Jacó, ajudou-me a escapar da violência dos terríveis selvagens. A Ele, todo louvor e glória e honra, por meio de Jesus Cristo, Seu filho querido, nosso Salvador. Amém”[1]

Trata-se de informações autobiográficas, de um incidente no Brasil, sem nenhuma tentativa de se estabelecer neste país.

A primeira tentativa de evangélicos se estabelecerem institucionalmente no Brasil, que se tem registro, se dá na implantação da França Antártica, na Baía do rio de Janeiro no ano de 1555, liderada por Nicolas Durand de Villegagnon (Provins, 1510 — Grez-sur-Loing, 9 de janeiro de 1571). O mesmo pediu para o reformador João Calvino enviar ao Brasil huguenotes que o ajudassem na sua empreitada. As intenções de Villegagnon se revelaram traiçoeiras e finalmente esta empreitada fracassou. Os huguenotes que para lá se dirigiram foram enviados de volta de navio e alguns que permaneceram foram mortos. Posteriormente, a história registra uma outra tentativa, a dos holandeses que conquistaram Olinda e o Porto de Recife em 1629 e implantaram ali o Calvinismo.

No entanto, este país católico começou a sofrer mudanças mais sólidas somente após a proclamação da independência e a coroação de D. Pedro I em 1822. Quando houve a convocação de uma Assembléia Constituinte, e em 25 de março de 1824, a Carta Constitucional foi outorgada, tolerando outra religião no país com liberdade de Culto. O Artigo 5º afirma:

“A religião Católica Apostólica Romana continuará a ser a religião do império. Todas as outras religiões serão permitidas com seu culto doméstico ou particular, em casas para isso destinadas, sem forma alguma exterior de templo.”

Já no Artigo 15º lemos:

“As outras religiões além da cristã (Católica Apostólica Romana) são apenas toleradas, e a sua profissão inibe o exercício dos direitos políticos.”[2]

Devido relações comerciais com países protestantes, começou a haver no Brasil o chamado protestantismo de imigração. Assim a liberdade religiosa foi aparecendo gradativamente. O primeiro missionário a vir para o Brasil implantar uma igreja genuinamente brasileira foi Robert Reid Kalley, que em 9 de abril de 1855, juntamente com a sua esposa Sarah Kalley, embarcaram na cidade Southampton, Inglaterra, com destino ao Rio de Janeiro. No entanto, a implantação do presbiterianismo com uma ênfase missionária mais profunda se deu pouco depois com a chegada do missionário americano Ashbel Green Simonton em agosto de 1859.

Ashbel Green Simonton

Simonton nasceu em um lar presbiteriano na cidade de West Hanover, Pensilvânia no dia 20 de Janeiro de 1833.  Iniciou seus  estudos em Direito, mas depois de certa relutância cedeu ao seu chamado e foi para o seminário de Princeton em 1855. Simonton foi despertado para missões ao ouvir um sermão do Dr. Charles Hodge (1797-1878) sobre o assunto.[3] No dia 25 de novembro de 1858, Simonton envia sua proposta formal para a Junta de Missões Estrangeiras, e pouco tempo depois é enviado ao Brasil.

Finalmente em 18 de junho de 1859, Simonton recém ordenado e com apenas 26 anos de idade, embarca no porto de Baltimore com destino ao Brasil. Chegando no Rio de Janeiro no dia 12 de agosto de 1859. Em pouco tempo Simonton dominou a língua vernácula, e seu primeiro trabalho em português foi uma classe de Escola Dominical, com cinco crianças presentes. Assim ele escreve em seu diário:

“No último Domingo dia 22, realizei uma Escola Dominical em minha própria casa. Foi meu primeiro trabalho em português. As crianças dos Eubanks estavam presentes, bem como Amália e Mariquinhas Knaack. A Bíblia, o Catecismo de história sagrada e o “Progresso do Peregrino” de Bunyan, foram nossos textos.”[4]

Assim, começa o trabalho em português deste jovem missionário americano no Brasil destacando o fato de seu primeiro trabalho em português ser com crianças. Aos poucos Simonton recebe apoio de outros missionários e tem muitas conquistas neste país. Em pouco tempo, mas com muito trabalho, Simonton organiza a primeira igreja Presbiteriana no Brasil, no Rio de Janeiro em 12 de Janeiro de 1862. No dia 5 de novembro de 1864, Simonton publica, juntamente com outros amigos, o primeiro número do jornal Imprensa Evangélica. O primeiro jornal evangélico do Brasil e talvez da América Latina. [5]

[1] STADEN, Hans A verdadeira História. Rio de Janeiro: Dantes Livraria, 1999. Pg.120. Citado por MENDES, Marcel (org.) Simonton, 140 anos de Brasil São Paulo: Ed. Mackenzie pg.16.

[2] Ver  CARDOSO, Douglas Nassif Robert Reid Kalley   Edição do Autor, pg.39 Ver também MENDES, Marcel (org.) op. cit.  pg.36. COSTA, Hermisten Maia Pereira da Simonton, um homem dirigido por Deus São Paulo: Ed. Mackenzie. Pg.9

[3] COSTA, Hermisten Maia Pereira Simonton, um homem dirigido por Deus São Paulo: Ed. Mackenzie. Pg.16

[4] SIMONTON, A. Green O Diário de Simonton 1852 – 1866 São Paulo: Cultura Cristã, 2002 pg.140

[5] COSTA, Hermisten Maia Pereira op. cit.. Pg.47

A Reforma para o século 21

A Reforma para o século 21 “Reforme a sua vida, reforme o mundo” – Uma reflexão sobre a Reforma Protestante do séc. XVI e suas implicações para o séc. XXI, sua relevância para o mundo contemporâneo e urgência para nossa espiritualidade.

Veja como a maior revolução social do mundo ocidental iniciou com uma revolução espiritual, fruto direto de uma compreensão mais clara da Palavra de Deus, as Sagradas Escrituras. A Reforma Protestante iniciou nos corações das pessoas, transformando as famílias, as igrejas, as cidades e nações inteiras. O seu impacto redefiniu a educação, a ciência, as artes, as relações sociais, trabalhistas e a economia. Moldou e marcou de forma profunda o mundo ocidental e seus efeitos reverberam até os dias de hoje.

500 Anos da Reforma (Programa para os Jovens)

22728947_1000789943396367_5588880964446688377_n.png

“OS JOVENS E A REFORMA: Os cinco séculos que mudaram o mundo.” Uma reflexão sobre a Reforma Protestante do séc. XVI e suas implicações para o séc. XXI, um movimento de grande relevância para o mundo contemporâneo, especialmente para os mais jovens. 

*18h00 – Workshop: “A Maior Revolução Cultural do Mundo” Uma breve perspectiva histórica deste movimento e seu impacto na sociedade em todos os seus aspectos: nas artes, na ciência, na educação e nos relacionamentos sociais e econômicos do mundo ocidental. (Teol. Edgard Casolli)
*19h00 – Coffee Break
*19h30 – Adoração e Louvor:
Mensagem: Samuel Tassi
Louvor: Grupo Essência
*21h00 – Encerramento e confraternização (Salão Social)
Entrada Franca (Para os jovens e para toda família)
Igreja Presbiteriana Vila Alpes http://ipvalpes.org/
Rua Domingos T. Mendonça, 1121 (Vila Alpes)

1a Palestra: Os Jovens e os 500 anos da Reforma (Pr Edgard)    

2a Palestra: Parábola do Filho Pródigo (Lucas 15) Samuel Tassi     

Para o Louvor da Sua Glória (Efésios 1)

500

Para o Louvor da Sua Glória – “O Pai Elegeu, o Filho Redimiu e o Espírito Selou.” Efésios 1

  • 08/10 – O Pai Elegeu para o Louvor da Sua Glória
  • 15/10 – O Filho Redimiu para o Louvor da Sua Glória
  • 22/10 – O Espírito Selou para o Louvor da Sua Glória

“Ecclesia reformata et semper reformanda secundum verbum Dei”

A Igreja Reformada, sempre reformando de acordo com a Palavra de Deus” 

Este princípio regeu a Reforma Protestante do Século XVI e continua vivo e ativo nas igrejas herdeiras da Reforma. Precisamos revisar constantemente nossa fé e prática, se estão de acordo com a Palavra de Deus. A Glória de Deus depende deste exercício espiritual da igreja. Quando as principais doutrinas da Graça são distorcidas e centralizadas no homem, na ação do homem, no mérito do homem, na escolha do homem… Deus não é glorificado!

A Comunicação no Período da Pré-Reforma

joaoCalvinoEstudandoA propagação do Calvinismo no século XVI se deu de forma muito rápida e eficiente. Muitas vezes as idéias de Calvino suplantavam as de Lutero e frutificavam em regiões tão diversas como as da França, Escócia, Holanda e Hungria. Para compreender esta questão da comunicação é preciso admitir que a transmissão de idéias, depende muito da sociedade em que elas são expressas. Os meios de comunicações atuais estão bem desenvolvidos, no entanto, na época de Calvino as coisas eram bem diferentes. Para entendermos melhor como as suas idéias foram transmitidas precisamos compreender os antecedentes sociais da Reforma e o desenvolvimento dos meios de comunicação.

Houve muitos acontecimentos sociais antes da Reforma que mudaram a Europa. Tragédias como a Peste Negra, movimentos como a Renascença iniciada no século XIV, descobertas geográficas, principalmente a da América, assim como outros acontecimentos ocorreram de forma que por volta de 1500 a Europa era um Continente muito diferente. Certamente estas mudanças todas tiveram sua influência sobre o padrão de comunicação. A grande maioria de pessoas eram analfabetas e a sociedade medieval era uma sociedade basicamente oral e visual.

Até que a redescoberta da literatura clássica, despertou um novo interesse pela educação e pela cultura. Um novo grupo de leitores começou a surgir, até que, com a invenção da imprensa houve uma revolução no padrão de comunicação. No início a imprensa era feita com blocos de madeira e por volta de 1450, João Gutenbergue desenvolveu na Alemanha uma liga de metal que permitiu fazer tipos móveis de blocos e  isto revolucionou significativamente o processo de impressão. Já no século dezesseis uma das suas características foi a aceleração do processo que se iniciou cerca de cinqüenta ou cem anos antes. Houve uma aceleração no desenvolvimento do comércio com seu conseqüente estímulo ao crédito, operações bancárias e investimentos. Estas mudanças econômicas produziram mudanças nas relações das classes sociais assim como em sua distribuição geográfica.

Neste tempo houve muitas diferenças e conflitos ideológicos, no entanto, a maior das mudanças intelectuais veio com a Reforma, iniciada com Lutero ao fixar as suas 95 teses na porta da Igreja do Castelo de Wittenbergue. Estas teses foram traduzidas para o alemão e foram feitas inúmeras cópias graças a imprensa. A Reforma se alastrou tomando forma até na Suíça liderada por Zwínglio. Em Genebra muitos acontecimentos prepararam a implantação da Reforma. O Bispo foi expulso e o Duque de Sabóia precisou fugir, até que em 1535 Guillaume Farel, um pregador protestante chegou em Genebra onde logo tratou de implantar uma reforma religiosa.

O sucesso na disseminação das idéias de Calvino pode ter sido causado em parte próprio estilo, era um pensador e escritor sistemático. No entanto, houve alguns fatores circunstanciais de seu trabalho e uma situação que pela providência de Deus lhe deram condições para exercer sua influência ampla e efetiva.

Dentre os meios básicos usados por Calvino para disseminação de seus pensamentos, podemos destacar as suas pregações, seus cursos, seus contatos pessoais e principalmente seus escritos.

Além de seu trabalho como pregador, (pregava cerca de cinco vezes por semana, além de suas preleções Bíblicas) também atuava como professor. Desenvolveu um sistema educacional para crianças de onde finalmente surgiu a academia de Genebra, que recebia estudantes de vários países. Calvino também mantinha contato com homens e mulheres através de correspondências por toda a Europa. De seus escritos, destacamos as “Institutas da Religião Cristã” que certamente foi o mais importante. Era também um panfletário, pois através de inúmeros panfletos que escreveu, esclarecia o povo em vários assuntos, principalmente referentes a algumas doutrinas e práticas cristãs. Seus escritos, geralmente produzidos em Latim, logo eram traduzidos nas línguas vernáculas nos países que chegavam.

Finalmente, seu trabalho não era meramente um exercício teórico, pois ele era um homem prático que acreditava que o pensamento precisa produzir ação.

Fonte: “Calvino e sua Influência no Mundo Ocidental” org. por W. Stanford Reid. Capítulo 2 – A Propagação do Calvinismo no séc. XVI